Capacetes – uma breve história    

3 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 3 3 Flares ×

capacete-03capacete-02capacete-01capacete-09capacete-08capacete-07
Todo apaixonado por motos conhece a importância do uso de equipamentos de proteção, dos quais o mais conhecido certamente é o capacete. Utilizado para evitar lesões na região da cabeça em caso de acidentes, o artigo é essencial e seu uso é compulsório por lei na maioria dos países. O que poucos imaginam é que o capacete passou por um longo processo de evolução até chegar ao modelo que conhecemos hoje.

A evolução do capacete

Em âmbito militar, a proteção da cabeça é sabidamente empregada desde os primeiros séculos de existência da humanidade, com elmos e capacetes. A inspiração para a criação de proteção automobilística certamente vem de tais recursos.

A produção do primeiro capacete é atribuída a Gottlieb Daimler, em 1885. O intuito do equipamento não era exatamente o mesmo de hoje, mas foram as bases para a proteção pessoal. A partir da década de 30, o interesse pela velocidade e por motos cada vez mais rápidas (principalmente nos Estados Unidos, numa competição entre a Harley-Davidson e a Indian) aumentou consideravelmente os casos fatais de acidentes.

Foi em 1953 que um professor da University of Southern California (USC), C.F. Lombard, desenvolveu um protótipo com camadas que não só absorviam o choque de um impacto, mas também distribuíam o choque acumulado. Lombard registrou uma patente de sua invenção, que se tornou padrão para produção e desenvolvimento dos capacetes modernos.

Atualmente, os projetos ainda contemplam o modelo de Lombard. Por dentro, uma EPS (espuma de poliestireno expandido), que tem densidade e consistência para suportar um impacto. Por fora, uma camada de plásticos ou fibras. A ideia é que o equipamento fique distorcido com a força da batida, absorvendo integralmente a energia e impedindo que a mesma destine-se ao crânio do usuário.

Tipos de Capacetes:

  • face completa: como o nome sugere, este modelo possui cobertura em toda a região facial, uma espécie de “escudo” ou visor;
  • motocross: queixo alongado e orifício na região dos olhos para o uso de óculos de proteção adicionais são as principais características dos modelos empregados nas corridas off-road;
  • modular: também conhecidos como flip ou “conversíveis”, possuem a viseira retrátil, proporcionando praticidade e conveniência. É o tipo mais encontrado em centros urbanos;
  • 3/4: cobre as orelhas, bochechas e nuca, deixando o queixo desprotegido. Não é muito efetivo para casos de colisão frontal, embora mantenha a proteção para a parte traseira da cabeça;
  • meia-cabeça: proteção mínima, apenas na porção superior da cabeça (sem cobertura da região das orelhas). Ficou popular nos anos 60, mas seu uso é desencorajado.

Cômodos ou não, os capacetes são amigos inseparáveis dos motociclistas. Não usá-los é arriscado e pode colocar tudo a perder. A Machine Cult apoia o uso obrigatório do equipamento como maneira de aumentar a segurança e proporcionar o deleite total da liberdade que só as motos podem oferecer.

Todos os capacetes mostrados neste post são da empresa francesa Ruby, www.ateliersruby.com.

capacete-04 capacete-06 capacete-05capacete-12 capacete-11 capacete-10

 

3 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 3 3 Flares ×
final do post5

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>